Share Twitter
Share Facebook
Share Linkedin

Published on pureviagem.com.br l 24/02/2016

Parece que pagar a hospedagem do hotel pelo período de uma noite (ou diária) está virando coisa do passado. É o que afirma a empresa DayUse, que já lucrou € 15 mil com a novidade em mais de 14 países e 100 cidades pelo mundo, a exemplo de Nova York, Londres e Paris. O site oferece aluguel de quartos por hora, sem a necessidade de detalhes do inquilino, como nome ou número do cartão de crédito.

A novidade surgiu como uma ótima opção para quem está de passagem por cidades ou países por um curto período de tempo e precisa de um lugar para dormir, tomar banho ou descansar. Agora, se você tiver que esperar horas por uma conexão em seu voo, não há mais a necessidade se preocupar onde gastar todo esse tempo.

Não foram só os turistas e viajantes tradicionais, no entanto, que se beneficiaram com  DayUse. A inovação agradou também aqueles que, apesar de casados, vivem relações extra conjugais, já que o preço pago pelos momentos com a paixão proibida varia deacordo com o tempo gasto no quarto.

Apesar do incentivo à infidelidade, o fundador da DayUse, David Lebée, garantiu ao jornal francês Le Parisien que o serviço não visa esta questão e que favoreceu esses casais quase que por acaso. Lebeé aproveitou para afirmar que a forma como cada hóspede utiliza o novo serviço é algo que não interessa à empresa, que não julga qualquer atitude desse tipo, antes, segundo ele, vista como um tabu.

A companhia está satisfeita com o resultado. Após os últimos atentados à capital parisiense o número de turistas diminuiu bastante. Com a inovação, no entanto, a indústria hoteleira da Cidade Luz parece ter encontrado um caminho para voltar a atrair visitantes do mundo todo.

Gostou da ideia? Para fazer uma reserva utilizando o DayUse basta acessar o site oficial e seguir aquele ritual clássico de qualquer hotel. Escolhendo a cidade, a data, hora de chegada e quanto tempo pretende ficar no local, as opções aparecem na tela e a pessoa pode garantir sua vaga.